Temas Desenvolvidos

Poderão ter a duração de uma palestra, oficina ou cursos de capacitação de 8, 16,24, 40 horas e alguns podem ser feitos com a combinação de dois ou mais temas que serão adaptados à realidade do publico a que se destina (educacional ou institucional).

 

Todo enfoque dos temas está na tríade: o sujeito como agente principal, o outro e os resultados obtidos como subproduto da competência em lidar com os desafios dos relacionamentos no dia-a-dia.

01

 OS DESAFIOS E AS COMPETÊNCIAS NA GESTÃO EDUCACIONAL E RH

OBJETIVO: Facilitar ao participante na identificação de suas potencialidades, a fim de que possa melhorar sua performance para que administre de forma eficaz suas competências. Desenvolver a consciência de um novo papel de liderança, da supervisão, projetos participativos, gestão democrática, autoavaliação, valorizando as competências individuais em prol de um objetivo coletivo. Potencializar no professor o autoconhecimento (intrapessoal) para que se a efetive de forma competente as relações interpessoal com seus alunos e demais participantes do núcleo escola.

02

CIA. DE PAIS E FILHOS: a inclusão da família e a co-responsabilidade disciplinar

OBJETIVO: Possibilitar uma reflexão atual de como e quais são as responsabilidades da família no seu processo de desenvolvimento evidenciando os papéis deste relacionamento, frente ao atual cenário mundial para onde se converge a família, a escola e a sociedade. Resgatar os valores, ética, disciplina, moral e as qualidades nas relações familiares, bem do respeito ao próximo.

03

 TAM - TRANSTORNOS DO ASSÉDIO MORAL (BULLYNG): a violência silenciosa e os desafios da educação

OBJETIVO:  Conscientizar quanto ao Assédio moral ou bullying como forma de violência dissimulada e que não ocorre somente nos escalões hierárquicos, chefia versus subordinado, estando presente e causando danos morais, dentro das instituições educacionais, empresarias e no próprio seio da família. Estes danos morais vão desde a desmotivação, a baixa estima, a culpa, o sentimento de incompetência, as doenças da somatização, a depressão, o afastamento e as internações, podendo levar ao bulicídio (morte), tamanha a gravidade desta lesão moral. Mostrar que existem saídas para administrar este tipo de violência, através de programas internos.

04

A MATEMÁTICA DO AMOR: a arte de entender e ser compreendido nas relações humanas 

OBJETIVO: A palavra matemática cunhada na Grécia Antiga ou "Mathematikós" refere-se "àqueles que apreciam o Conhecimento" ou ainda "Aqueles que gostam ou estão dispostos a Aprender". São os amantes do conhecimento, por isso: " o homem não é sábio porque sabe, ele é sábio porque ama", disse o prof. Henrique José de Souza. Possibilitar, sensibilizar e despertar a consciência para a maior e mais eficaz ferramenta no combate ao estresse, ao bullying, à solidão e aos conflitos nos relacionamentos na escola, família e social: o amor sabedoria. Pedagogicamente falando procura facilitar às pessoas e principalmente ao educador a uma "praticologia amorizadora" na dialética de amar e ser amado. Aprender que na matemática do amor, 1+1 não é igual a dois e sim igual a 3, onde cada ser continua com seu valor inteiro e o terceiro é o produto deste relacionamento.

05

TPM- OS TRANSTORNOS DA PASSIVIDADE MENTAL e suas influências no processo do desempenho profissional e aprendizagem

OBJETIVO: Oferecer aos participantes uma ferramenta fundamental para transformação das características psicomentais que conduz as pessoas ao fracasso e ao baixo desempenho escolar. O inimigo psicomental identificado como "vírus passivóide" é capaz de eliminar milhões de neurônios ao longo do tempo, provocando danos irreversíveis ao cérebro conforme comprova a Neurociência. Facilita ao participante Identificar o processo conhecido como "TPM"-Transtorno da Passividade Mental. Uma vez consciente dos mecanismos que levam à passividade o participante terá em mãos uma ferramenta para melhorar seu desempenho profissional e pessoal.

06

POTENCIALIZAÇÃO DO CAPITAL HUMANO NA GESTÃO DE PESSOAS: do capital financeiro ao capital humano

OBJETIVO: Despertar no educador os potenciais das suas múltiplas inteligências e das múltiplas emoções, através da Vontade, a fim de possibilitar-lhe o auto crescimento e equilíbrio biopsicomental. Levá-lo a identificar que os fatores de competências estão dentro de cada ser humano e, que o papel do educador é oferecer condições motivacionais afim de que o aprendiz se desenvolva e para isso ele precisa estar pronto e querer aprender. O papel da família é fundamental para potencializá-lo através do amor e da disciplina e a indispensável parceria com a escola, que potencializa a inteligência e a sociedade transformará o potencial intelectual e afetivo em desenvolvimento social. O educador atua como um alquimista estimulando o despertar de um novo estado de consciência em seus alunos, até que possam atingir um estágio da moeda de chumbo para o bronze, a prata e finalmente o ouro, mas primeiramente tera que descobrir este ouro dentro de si, assim se propõe que este treinamento lhe condições para esta descoberta.

07

 PSICOLOGIA DAS RELAÇÕES HUMANAS

OBJETIVO:  Possibilitar ao participante o uso de uma ferramenta que inclui técnicas comportamentais de forma simples e, de aplicabilidade e resultados imediatos nos relacionamentos. É um processo eficaz para melhoria da comunicação, motivação, e no equilíbrio psicomental (razão e emoção). Para sua eficácia, o processo ensino x aprendizagem depende do autoconhecimento do professor (intra) a fim de que possa estabelecer um bom relacionamento com seus alunos (inter) com influências diretas no aprendizado. Focar o Ser professor-educador, ser humano na elevação da auto estima e motivação.

08

O LÍDER EDUCADOR COMO LÍDER E GESTOR DO CONHECIMENTO: a arte e a magia de transformar pessoas 

OBJETIVO: Conscientizar o participante que o potencial de liderança, não é prerrogativa somente daqueles que ocupam cargos, títulos ou mandatos, mas também daqueles que não ocupam qualquer tipo de cargo. O primeiro é o líder formal com delegação de poderes, o outro, é o líder informal que mesmo sem cargo tem atuação significativa sob o grupo. O gestor do conhecimento é aquele que conduz pessoas a desenvolverem um pensamento crítico, transformando os em seres humanos pensantes e colaboradores conscientes do seu papel profissional. Aprender a identificar as diferenças entre os estilos e táticas, e entre objetivos, diretrizes, metas e estratégias de um líder, que é fundamental para que o gestor possa cumprir com eficácia esta missão.

09

UM NOVO OLHAR ATRAVÉS DA PEDAGÓGIA HENRIQUIANA: uma visão integral do ser humano e o despertar de um novo estado de consciência

OBJETIVO: Oferecer ao educador novos parâmetros de reflexões da filosofia Henriquiana, que tem como core-curriculum o aprimoramento da personalidade para manifestação do Eu Superior. Este novo olhar pedagógico possibilita ao educador assimilar, complementar, incorporar e aplicar estes princípios básicos ao seu trabalho. Este novo refletir a educação é inclusiva porque seus principais fundamentos pressupõem uma visão holística do ser humano na sua forma analógica, sincrética e eclética, estando em harmonia com as leis universais, das quais se derivam as leis naturais e dos homens.

10

OS DEZ MOTIVOS PORQUE NÃO FUI UM BOM PAI: a pedagogia do perdão

OBJETIVO: Levar experiências pessoais aos pais, jovens e professores, sobre a questão fundamental das verdadeiras responsabilidades da família, na educação dos filhos e na coresponsabilidade com a escola. Resgatar valores através do amor-sabedoria, ética, moral e da disciplina. Conscientizar sobre os papeis que envolvem a família e entender que diferença existe nesta geração em relação a anterior. Restabelecer os laços da ancestralidade, no núcleo da família qualquer que seja a sua constituição.

11

 AUTOGESTÃO: desenvolvendo talentos para uma gestão democrática

OBJETIVO:  Possibilitar condições para transformar a figura do professor, e do líder em qualquer seguimento, em um gestor altamente eficaz. Seu papel será de apontar o caminho, mas nunca impor. É fazer com que seus aprendizes tenham autonomia necessária para trilhar essa trajetória. Autogestão de grupo é um ótimo exemplo de como transformar e potencializar pessoas em busca de uma gestão democrática, onde cada um tem um papel fundamental a desempenhar.
A proposta de autogestão de grupo, oferece referenciais seguros para o exercício da responsabilidade na educação de uma nova sociedade, pautada em livres pensadores e assim, construtores de um novo horizonte educacional

12

TAE - TRANSTORNO AFETIVO EMOCIONAL e sua interferência na aprendizagem

OBJETIVO: Trazer um novo olhar para as questões dos transtornos ou dificuldades, sob o ponto de vista da psicologia, focando não apenas os distúrbios, mas também as competências cognitvas e as emocionais para o reequilibro psicomental do educador. Facilitar com que o educador entenda este processo a partir de si mesmo, de suas vivencias, como elas estão elaboradas, para que depois possa então compreender o outro. Despertar para cuidados especiais com rotulações, laudos, estigmas, pré-conceitos, e com os diagnósticos, para que este se torne um referencial para uma nova abordagem no ensino e aprendizagem.

13

 MOTIVAÇÃO: as ferramentas que irão melhorar o desempenho da sua equipe

OBJETIVO: Possibilitar ao educador a identificação de forças impulsionadoras e restritoras que permeiam o seu dia a dia, conscientizando-o à administrá-las adequadamente. Utilizar estas forças para gerar novas fontes de motivação direcionadas a seus objetivos de vida pessoal, social e profissional. Apresentar teorias motivacionais e seu pragmatismo - não se trata de show, mas sim de teorias e praticas.

14

A ESCOLA 3.0 : INCLUSÃO: A escola de corpo, alma e espírito

OBJETIVO: Conscientizar os professores que a inclusão ocorre em três níveis: físico, mental, sendo que a terceira é uma área que pouco se tem falado: "psicológico-comportamental" que tantos problemas trazem para sala de aula, sendo este um dos fatores de maior dificuldade na gestão de pessoas dos alunos e da própria escola como um todo. Capacitar e conscientizar os participantes a lidar com a pior de todas as exclusões: aquela de cercear ao ser humano o direito ao conhecimento, pouco importa como isto esteja sendo feito, quer seja no plano individual, pelos governos ou pelas instituições em geral. A educação é esta fonte, quem a atinge, saciar-se-á a si mesmo e ao outro. A inclusão é a ação ou resultado de incluir-(se), de integrar um elemento a um todo. Este todo ou uma parte (individuo) representa o corpo, o acolher é a alma e o compreender é o espírito. A inclusão precisa de outros três elementos fundamentais que a caracteriza: a família (amor), a escola (ensino) e a sociedade (trabalho). A diversidade no meio social e, especialmente no ambiente escolar, é fator determinante do enriquecimento das trocas, dos intercâmbios intelectuais, sociais e culturais que ocorrem entre os sujeitos que neles interagem.

15

EMOÇÕES E ESTRESSE: Qualidade de vida ou devida?

OBJETIVO: Oferecer ao educador novos parâmetros de reflexões da filosofia Henriquiana, que tem como core-curriculum o aprimoramento da personalidade para manifestação do Eu Superior. Este novo olhar pedagógico possibilita ao educador assimilar, complementar, incorporar e aplicar estes princípios básicos ao seu trabalho. Este novo refletir a educação é inclusiva porque seus principais fundamentos pressupõem uma visão holística do ser humano na sua forma analógica, sincrética e eclética, estando em harmonia com as leis universais, das quais se derivam as leis naturais e dos homens.

16

OS TEMPERAMENTOS: porque as pessoas são diferentes ? Uma ferramenta essencial para o professor no auto-crescimento e na aplicabilidade em sala de aula.

OBJETIVO: Nenhuma ferramenta é mais importante do que aquela da competência em lidar consigo mesmo e com sua equipe, alunos ou liderados. Conhecer os temperamentos é uma destas ferramentas imprescindíveis para o líder, gestor, coordenador, educador. Possibilitar ao participante, o uso de uma ferramenta comportamental eficaz no processo de auto-crescimento e, de autoavaliação a fim de que possa utilizá-la de forma prática e imediata, melhorando o relacionamento nas áreas profissional, familiar e pessoal. Aprender o mínimo necessário sobre o funcionamento dos 5 temperamentos (colérico, sanguínea, bilioso, fleumático e o equilibrante)

17

AMOTERAPIA: O amor como fator fundamental nos relacionamentos

OBJETIVO:  Despertar o ser humano para uma consciência superior sobre a sabedoria do amor como fonte primária da busca pela dignidade e auto-estima, mas também de ação solidária e de cidadania.
O amor sabedoria será a mola propulsora para se empreender qualquer mudança independente da idade, porque ele não é apenas poético, filosófico, ele é prático, envolvendo a escola, a família e a sociedade.
Conscientizar os participantes de que o mundo vive uma grande fome: "A fome de estímulos", de ser reconhecido, valorizado. A fome de amar e de ser amado, quando não saciada gera a anorexia emocional. 
Levar as pessoas a redescobrir este amor, desmistificando sua ligação única e exclusiva com a sexualidade, com as conquistas individuais, mas compreendendo-o e vivenciando-o, na sua multiplicidade de manifestação. 
Compreender que a individualidade faz parte do amor humano (Psique) com suas inseguranças, mas buscamos a individuação que é a espiritualidade (Eros). Um encontro que traz qualidade de vida e a ECO-ecologia do coração, porque nos possibilita compreender e vivenciar o humano e o divino em cada ser, sendo fundamental à vida em qualquer idade

18

COMUNICAÇÃO: como utilizar forma eficaz os meios de comunicação e agilizar o entendimento na escola.

OBJETIVO: Oferecer ao participante requisitos que os habilitam estabelecer caminhos eficazes na comunicação e interpretações dos sinais da comunicação, através de gestos e sinais gráficos que compõem o sistema de linguagem, por onde permeiam os diversos veículos de comunicação. Aprender a arte de estabelecer rapport, contato, empatia com as pessoas. Identificar os canais de comunicação, bem como seus conteúdos para melhorar sua performance e rapidez na obtenção da informação. Nenhum processo que envolve as negociações e relacionamentos entre pessoas e instituições, não acontece sem antes ter passado pelo mecanismo da comunicação.

19

INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E MÚLTIPLAS EMOÇÕES: competências afetivas e cognitivas

OBJETIVO: Oferecer ao educador um novo referencial do questionamento sobre conteúdo, habilidades, competências e suas multiplicidades tanto cognitivas quanto afetivas. Discutir valores relacionados ao QI, QE acrescentando lhe o QV= Quociente de Vontade, como sendo aquele que possibilita o desenvolvimento da inteligência e da emoção. Apresentar alguns referenciais no campo da neurociência. Como as emoções afetam a área da razão e vice versa e qual é a saída? Existe um tempo certo para se aprender?

20

ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO:o que é essencial o educador conhecer sobre a formação da personalidade

OBJETIVO: Apresentar as principais características do desenvolvimento da personalidade em cada uma das fases da formação da personalidade para que o educador/ou participante possa compreender melhor o processo individual de aprendizagem de seus alunos. Facilitar a identificação de fatores de conflitos ou traumas em cada fase e a percepção das diferenças individuais, bem como potencialidades nas habilidades ou chamadas inteligências múltiplas, e como se dá a aprendizagem em cada uma das fazes. Possibilitará ao educador se auto identificar em cada uma das fases, sendo portando uma ferramenta importante uma auto avaliação do educador, que o possibilite repensar certos comportamentos. Reciclar etapas do desenvolvimento humano na fase adulta é poder identificar potenciais de mudança interior.

21

A ESCOLA DE QUALIDADE COMEÇA EM MIM: você sabe qual a imagem de sua escola e quanto custa o mau atendimento?

OBJETIVO: Possibilitar aos participantes uma nova percepção dos potenciais do capital humanos no ambiente de prestação de serviços e nas relações sociais. Conscientizá-los de que a matemática do bom atendimento gera satisfação do cliente, harmonia no clima do local de trabalho e, o contrário disto, já o mau atendimento (a má-temática), gera prejuízos que vão corroer os alicerces de sua imagem, de sua liderança e da instituição à qual pertence. O funcionário de uma escola, a diretoria, a coordenação, professores, todos são responsáveis pelo atendimento, porque o bom atendimento começa no portão, percorre toda escola e vai até a sala de aula. Através das regras de ouro, e fazendo isso de forma clara e ética, para com as pessoas, você estará fazendo o seu diferencial e da sua instituição. Uma pessoa bem atendida reproduz para mais 9, infelizmente a que foi mal atendida dirá para 49 outras, então calcule os prejuízos.

22

FIFE - FATORES INTERNOS E EXTERNOS DE FELICIDADE

OBJETIVO: Conscientizar e despertar o ser humano para as questões não apenas do PIB ($), mas também dos fatores que nos traz prazer e felicidades em casa, no ambiente de trabalho e nos estudos: o FIB - felicidade interna bruta e ir mais além o FIP - felicidade interna plena. Não basta o TER é preciso despertar o SER nas suas qualidades e valores. O mundo clama por paz nos relacionamentos e precisar estar consciente destes valores e compartilharmos deles com nossos semelhantes.

23

O ELETRONZINHO: um conto de carinho

OBJETIVO:  Trabalhar a questão do desenvolvimento da afetividade nas crianças do ensino infantil, fundamental I e II. O projeto eletronzinho para crianças de (0 a 120) tem por objetivo resgatar a dignidade, as qualidades e os valores, a ética, a convivência em cidadania, a infância, a família, a questão da violência, da discriminação e o nosso papel de consciência ecológica para uma vida em harmonia e paz entre os seres humanos e os demais reinos.

OBS: Os temas 01, 03, 04, 05, 06, 07, 09, 10 e 15 são inéditos.