SITES QUE PUBLICAM NOSSOS ARTIGOS

www.ceitec.com.br - www.centraldetreinamento.com.br
www.acontecendoaqui.com.br - www.nota10.com.br - www.sinepe-rs.org.br
www.lafiance-eventos.com.br www.psicopedagogiaonline.com.br
www.riograndevirtual.com.br - www.crago.org.br - www.opet.com.br
www.vetorial.net - www.psicopedagogia.net - www.enfoquedh.com.br - www.profala.com


Homenagem a todos os Grandes Educadores e empreendedores como você.

ENVIE SUA FOTO PARA GALERIA DOS MESTRES

 

Anchieta o primeiro educador e empreendedor do Brasil

 

Henrique J.de Souza

 

Celso Antunes

 

Emilia Ferreiro

 

 

Jean Piaget

 

José Luiz de Faria Neto

 

Nelson Salles

 

 

Hamilton Werneck

 

 

Vygotsky

 

Gleen Doman

 

Thais

 

 

Falta sua foto

 

 

e muitos outros

A pedagogia para o autocrescimento: A Maestria e a arte de apontar caminhos- Por Dirceu Moreira

Vou começar citando uma frase que dá todo o sentido e onde se baseia este texto: "O Mestre aponta o caminho, o discípulo segue sozinho até encontrar novamente o Mestre, mas desta vez dentro de si mesmo". Prof. Henrique José de Souza (filósofo, líder espiritual, músico, polígrafo, poliglota, tradutor, e educador).
Agora vou dividir esta frase em três pequenos trechos a fim de que possamos compreender o que e como os grandes Mestres nos transmitem informações através de suas metáforas e parábolas.
1º) O Mestre aponta o caminho.
Os verdadeiros Mestres da humanidade ou aqueles que trilham este caminhar e principalmente os educadores, devem ter como principio que o Mestre não determina caminho, porque determinar é limitar a competência do seu aluno ou discípulos. Mesmo com ser humano no início de sua vida (no seu paidós, do grego=criança) também assim se processa. À medida que os pais oferecem condições para seus filhos seguirem seu autocrescimento da dependência para a autonomia consciente, estará exercendo o papel de Mestres. O sufixo Grego "agogia" tem o sentido de conduzir, guiar e direcionar, porque estamos tratando de uma metodologia voltada para o aprendizado das crianças. Também a própria palavra método de origem Grega significa fazer caminhos. O Mestre, em qualquer área do conhecimento que ele atuar não fará caminhos para ninguém apenas o apontará, porque sua função é despertar e tornar os seus discípulos conscientes do potencial que possuem, tanto quanto ele que naquele momento exercia a função de Mestre. Certa vez Jesus Cristo disse: a tua fé te curou. Ele devolvia para cada um, aquilo que traziam dentro de si, mas que não estava consciente. Os Mestres não devem permitir por parte de seus alunos e discípulos em qualquer idade, expressões do tipo: você é o máximo, você é insuperável, só você me compreende, sem você eu não teria chegado aonde cheguei e outras tantas coisas. Estas crenças nos Mestres limitam a competência dos discípulos e, elas podem ser traduzidas da seguinte maneira nas entrelinhas do emocional: se ele, o Mestre é o máximo, o discípulo é o mínimo. É importante perceber que o verdadeiro Mestre não se coloca no alto para humilhar ou subjugar seus alunos, trata-se apenas de um estado de consciência que este adquiriu, mas que o Mestre sabe que seu discípulo um dia chegará lá através dos seus próprios méritos. Estas crenças só servem para gerar mistificações e a formação de "falsos gurus" que permeiam atualmente nossos meios acadêmicos e não acadêmicos, num estrelismo que chega aos extremos. Se um aluno se mostra excelente, seu Mestre diz: você é muito competente e se supera a cada dia. Ele não compara desempenho, mas também não impede de que seu aluno utilize se das referências do seu desempenho em relação ao outro, desde que isso não venha dirimir a imagem do outro em detrimento da sua. Os pais são os Mestres para seus filhos mesmo antes dos outros Mestres, na escola ou na sociedade. São os Super Heróis, ainda que na infância não morram jamais no coração de seus filhos. Quando os pais ao invés de apontarem caminhos, ao contrário, determinam para seus filhos, estarão criando uma dependência que terá um custo no futuro deles.
Com relação à educação, mais do que nunca requer o renascer de uma pedagogia que agregue valores para compreensão do novo padrão evolucional destas crianças, que a vinte ou trinta anos atrás nasciam ligadas no 220W, relacionado, portanto ao desenvolvimento do mental concreto que observa, compara, deduz e decide com base nos fatos, aquilo, portanto, que é perceptível pelos cinco sentidos, e com isso sub valorizando a sabedoria em detrimento da memória, da decoreba, da repetição e das cópias. Quando nascíamos, ficávamos enfaixados como uma múmia durante um bom tempo e demorávamos a abrir os olhos. E Hoje? Nascem conectadas no global, no 440w, mas pés descalços, os fios desencapados e o chão molhado. Esta é uma metáfora para dizer daquilo que eu entendo do que disse o prof. Henrique J.de Souza: a 5ª essência, ou mental abstrato ou budico (eu superior). A partir deste momento o ser humano desperta para uma consciência de criatividade, por ter o adentrado ao seu Eu Superior, morada da essência Divina, e isto não implica em que este não esteja presente na razão e na emoção. Estas crianças parecem estar em curto o tempo todo. Curto circuito? Não. Curto espaço de tempo para aprenderem o que tem que ser aprendido. Todas elas? Ainda não, mas serão. O mundo dará um volta de 360 graus, então a educação e as novas metodologias terão que ter dado duas voltas. A metodologia do amor será resgatada no seu sentido original: o amor sabedoria. Amor sem sabedoria se transforma em tapinhas nas costas, agrade sempre, pais e mestres bonzinhos. Por sua vez a sabedoria sem o amor os transforma em pessoas frias e intelectóides. Neste novo caminhar não haverá trilhos para uma avaliação quantitativa do processo educacional, mas trilhas onde permeia a flexibilidade e visão sistêmica e global da constituição do ser humano. A avaliação qualitativa não despreza a quantitativa, mas une-se a ela e ambas evidenciam o jogo das polaridades. Todos os dias em sala de aula, o professor atua como Mestre indicando caminhos nos mais variados sentidos e atendendo muitas vezes a uma demanda de 30 ou 40 alunos em sala de aula, situação essa que exige um bom nível de resiliência ou habilidade em lidar e superar as adversidades do dia-a-dia no processo de ensinagem e aprendência. Essa resiliência requer que o Mestre tenha trilhado os caminhos tanto da razão quanto da emoção, da pedagogia, da psicologia, da mente e do coração, em fim a técnica pedagógica e o comportamental.
2º) O discípulo segue sozinho:
Quando o discípulo segue sozinho isto não quer dizer abandonado, porque o Mestre permanece atento ao seu crescente caminhar. Se precisar interferir o fará novamente sugerindo que repense o caminho. Mesmo no ensino infantil o Mestre deverá estar atento ao seu papel de conduzir (agogia) porque os desvios de caminhos são muitos sutis e freqüentes e a isto damos o nome de experiência. Deve ser compensador quando o Mestre observa que não ajuda mais seu aluno segurar o lápis ou caneta, que ele já arruma suas coisas sozinho, que faz suas primeiras operações de matemática, que escreve, lê, compreende e interpreta. Quando o Mestre deixa passar despercebido e não celebra estes pequenos acontecimentos, tornar-se-á mais tarde frustrado porque será incapaz de verificar o quanto foi importante no processo de auto crescimento do seu aluno. Quando isto acontece temos a desmotivação. É preciso saber celebrar a cada passo. Em cada momento deste, o aluno seguiu sozinho e confiante porque a confiança nasce do apoio e proteção do seu Mestre. Às vezes temos que compreender que os erros são ensaios para o acerto e, pedagogicamente aproveitar a oportunidade reconduzindo o aprendiz para o caminho da autonomia. Estar só exige que tomemos iniciativas, mesmo que ela seja simplesmente a de arrumar o quarto, quando a mãe está ocupada com outros afazeres. O Mestre, ao permitir que seu aluno siga sozinho seu caminho terá sempre em mente as etapas de desenvolvimento por que está passando seu aluno. Há uma diferença muito grande entre uma criança de dois anos e outra com três, quando ambas tiverem, seis e cinco, sete e seis anos, doze e onze e assim sucessivamente, o caminhar sozinho terá suas diferenças extremamente importante, além disso, o Mestre deve estar atento aos diferenciais de cada aluno. Nem todos os frutos amadurecem no mesmo período e todos são bons frutos da mesma ÁRVORE da VIDA.
3º) Até encontrar o Mestre novamente, mas desta vez dentro de si mesmo.

Quando o aprendiz vai crescendo e se percebendo no caminho da autonomia, o Mestre por sua vez apenas e tão somente acena para ele e o cumprimenta pelo que conseguiu atingir na sua auto transformação e superação de si mesmo nesta longa caminhada chamada evolução, que podemos resumir no que dizia o prof. Henrique José de Souza: transformação de vida energia em vida consciência. Esta consciência o leva ao maior de todos os encontros: o encontro consigo mesmo, com sua essência aquela da pedagogia do amor que consiste na sabedoria Divina de poder viver uma vida pautada no que há de bom, bem e belo neste mundo. Esta transformação não se deu única e exclusivamente por causa do seu Mestre, mas porque seu Mestre Interior traz a Essência que pulsa em todas as coisas e aquele o ajudou a desperta-la. Quando o Mestre não tem esta postura torna seus alunos dependentes. Por outro lado quando o Mestre é capaz de identificar no seu aluno o potencial e o facilita a desenvolver, terá mil razões para se enthusiamar (enthus do grego é divino) com o progresso do seu aluno e celebrar a sua participação no auto crescimento dele. Quantas vezes os Mestres se esquecem destes detalhes e deixa passar despercebido o momento de um reencontro com seu aluno que agora é um Mestre, não porque dá aulas, mas porque venceu. Mestres, onde estão seus alunos agora, depois de passados Z, Y ou X anos? O que estão, ou onde estão atuando? A minha primeira professora Dona Ondina me conduziu, apontou e ajudou-me nos primeiros passos da vida acadêmica, depois vieram outras que somaram e cheguei onde estou. E você professor (a), Mestre (a) onde estão seus ex-alunos? No meu site tem um projeto que denominei de ALFACE disponível a qualquer escola que o queira utilizar, não há custo, há apenas recompensas do reencontro. Eu jamais poderia deixar de citar aqui, aquele que foi o maior de todos os Mestres do ciclo de peixes: Jesus Cristo. Ele disse três palavras fundamentais para os fundamentos da pedagogia do amor. É doando que se recebe. Assim fazem os Mestres doam-se, mas é importante perceberem também quanto recebem de seus alunos/discípulos. Peças e receberás. Os discípulos/alunos pedem apoio, compreensão, prazo, paciência, amor, oportunidade e, os Mestres por sua vez atende a estes pedidos, mas dentro de uma tônica dos princípios de justiça e sabedoria, para não cometerem o erro de apontarem o caminho da dependência. A terceira frase "a quem muito for dado muito será cobrado", que passou e passa despercebido da maioria dos alunos. Se pedir, recebemos se doarmos recebemos também, mas há a contra partida: a responsabilidade. Quando adentramos no caminho apontado pelo Mestre e seguirmos como nossos próprios esforços, nos tornaremos Mestres, mas neste caminhar recebemos muito de todos os lados: dos pais, dos educadores (escola), dos amigos e etc. Crescemos em consciência e quanto mais isso ocorre, mas nos tornamos responsáveis. O que, como e quantas vezes você exigia do seu aluno com 4, 6, 9, 15 e etc? Não foram diferentes em cada uma destas fazes, séries (anos)? A pedagogia do amor sabedoria nos conduz a um outro estágio de consciência e em nele chegando, assumimos novas e maiores responsabilidade. Encontrar-se novamente com o Mestre, mas desta vez dentro de si mesmo é sem dúvida um novo renascer, porque será um encontro com o principio do TODO que pulsa dentro de cada ser humano, impulsionado-o rumo à evolução.
Assim os Mestres se comunicam com seus discípulos/alunos, nem sempre deixando tudo tão claro e obvio, mas muitas vezes o fazem nas entrelinhas, a fim de despertar neles a eterna CPI - Curiosidade Permanente de Investigação.

Prof. Dirceu Moreira

Home Início - ALFACE-Proj. Inclusão - Artigos - Curriculum - Foto log dos Congressos - info-Espaço Escola - Links - Livros - Palestras/Cursos Resp. Social e inclusão - Eventos - Espaço para Divulgação - Psicoterapia - Home empresarial

dirceumoreira137@terra.com.br dirceumoreira@ig.com.br contato@dirceumoreira.com.br
11-4426-3219 - 9453-3332

tas hermes birkin jelly glitter Louis vuitton outlet sale bags belt cheap Replica sale authentic belt men louis vuitton Women clutch yves saint laurent outlet online best Women men official chloe replica outlet Replica online men shoes fake red bottoms prada saffiano mini bag pink Celine bags handbags replica store best Outlet store heels men red bottoms shop Best replica store prada hermes purse handbags hermes replica Bags belt the best prada replica online Official replica store women shoes christian louboutin Outlet online fake christian louboutin sneakers shoes louis vuitton outlet bags for women Women belt real yves saint laurent replica store yves saint laurent Clutch online Red bottoms boots heels outlet online official louis vuitton belt 2015